Relação mãe-filha: Pensando sobre alimentação

Família

O início do desenvolvimento psíquico se dá desde antes da concepção daquele filho. Afinal, seria menino ou menina? Desejado ou não? Como a mãe lidou com a notícia da gravidez? Lentamente, aquele bebê vai sendo construído a partir do discurso da mãe.

Para ser mãe é preciso que se remeta a tempos em que um dia se foi filha, assim a noticia da gravidez de uma filha mulher faz com que a mãe crie quais expectativas para aquele bebê?

Qualquer bebê precisa de uma mãe capaz de mantê-lo na ilusão de ser ambos uma só pessoa, para pouco a pouco se diferenciarem, porém, muitas vezes isso não ocorre de forma satisfatória. Há mães que não conseguem interpretar os sinais que o bebê lhe direciona, como um choro que remete a situações desagradáveis. Muitas podem interpretar como fome, outros tipos de desprazer.


É certo que a alimentação pode ser o primeiro organizador da vida psíquica, assim esse momento gera ao bebê sensações de alivio do desprazer, acolhimento, conforto e proteção. No excesso ou falta do investimento materno, o corpo fica sem acesso à chave do prazer, originando uma necessidade não atendida e comprometendo a percepção da imagem corporal. (DOLTO, 2004).

Conflitos vivenciados nesta primeira relação baseada na oralidade podem ter associação com a figura materna, assim podem ser expressos através de comportamento alimentar. Conforme o bebê cresce, passa a identificar a mãe como provedora de alimento e ao continuar preso a tal identificação, passará a expressar no ato alimentar suas dificuldades de relação com a figura materna. O ato de comer compulsivamente, vomitar o que come, ou negar a alimentação pode ser remetido ao modo como se lida com aquela relação mãe-filha.

A mãe e seu amor são então necessários para a constituição do feminino. Freud (1933) fala sobre as mulheres que mostram grande ressentimento. O amor parece tão intenso como também marcado por maquiado ódio, sendo uma relação ambivalente. O autor também aponta que muitas mulheres mantêm suas escolhas amorosas muito ligadas a essa relação com a mãe e sua rivalidade.

Leia Mais: Eu, mamãe & nosso relacionamento abusivo

Meninas que se sentiram de algum modo criticadas ou pressionadas por suas mães sobre seus hábitos alimentares e de aspectos corporais se mostram propensas a transtornos alimentares e insatisfação corporal, além de problemáticas relacionadas a sua imagem.

A busca de uma magreza impossível pode ser pensada como um modo de independência do corpo diante daquela mãe, rompendo um vínculo e tendo total controle da situação, negando o desejo alimentar, assim como sendo um corpo muito olhado e muitas vezes falado nos meios sociais, o que é preocupante já que aquele psiquismo sofre e o corpo mostra isso de algum modo.

A menina que vive um transtorno alimentar mostra dificuldades em lidar com sua identidade feminina, puberdade e características do sexo, relacionamentos e desejos autônomos. Suas mães talvez lhes anteciparam as experiências, assim não puderam aprender por si próprias, nem sentir a necessidade para se produzir um desejo em satisfazê-la.

Concluímos que a imagem do corpo e transtornos alimentares podem remeter a necessidade de controle e busca de alteridade e identidade em relação a figura materna.

Referências:
DOLTO, F. (2004) Esquema Corporal e Imagem do Corpo. In: Dolto, F. A Imagem Inconsciente do Corpo (2ª ed.). (Noemi Moritz & Marise Levy, Trans.). (pp. 9 -24). São Paulo: Editora Perspectiva. (Obra original publicada, 1984)
Freud, S. (1933/1969). Conferência XXXIII – Feminilidade, Novas conferências introdutórias sobre psicanálise. Obras completas, ESB, v. XXII. Rio de Janeiro: Imago.

O post Relação mãe-filha: Pensando sobre alimentação apareceu primeiro em Fãs da Psicanálise.


Compartilhamos conteúdo de uma grande variedade de fontes. Se você não deseja ter seu conteúdo compartilhado aqui, por favor entre em contato conosco. Gratidão.

Back To Top