Você desperta medo no seu filho?

Crianças

Leia com atenção as frases abaixo. Consegue perceber a similaridade entre elas?

“Sabe o que acontecerá se você não fizer o que eu disse? O Demônio irá escrever teu nome no inferno.”

“Sua mãe está tremendo de desgosto em ver você assim, você me envergonha e envergonha ela sempre.”
“Você foi um menino bom este ano, o homem do saco não vai te pegar.”
“Eu e sua mãe não aguentamos mais você. Não vejo a hora de você partir.”


Acredite, essa atitude é a mais comum em plano século XXI. E no adulto, este receio e medo tomam formas diversas, entre elas distanciamento social devido à depressão e fobia, sensação de que a existência é tenebrosa e cheia de “armadilhas”. Isso por quê? Porque a maioria dos sujeitados a tal forma de educação transportam para o mundo e as coisas o temor desta infância e a mensagem de que o “demônio da meia noite” está à espreita esperando qualquer deslize; Um relatório não entregue; uma tarefa não cumprida; um objetivo não alcançado.

Nietzsche já se referia a isso em outras palavras: “Prestai auxílio, vós que sois prestativos e bem-intencionados, essa única obra: Afastar do mundo o conceito de castigo, que se alastrou sufocando o mundo inteiro! Não há pior erva daninha!”. Ainda completa no final de seu texto: “É como se os fantasmas dos carniceiros e vergudos tivessem guiado, até agora, a educação do gênero humano.”

O motivo pelo qual ainda vigoram tais medidas é fácil de compreender. É bem mais fácil educar pelo medo. Dê um extremo temor a um fato ou ação infratora e pronto. Não há necessidade de explicação nem de argumento para que o jovem, o pequeno, ou até mesmo o adulto sinta-se ameaçado.

Você questionaria talvez: O adulto? Sim, mas aí muitas vezes o “demônio da meia noite” está na fala: “Falei com nosso superior e se você não melhorar, será demitido por justa causa”. A educação pelo medo como forma de alterar comportamento pode ser efetiva a curto prazo e somente para satisfazer os pais da trabalhosa tarefa de educar de maneira efetiva.

Qual modo parece mais educador: 1 – “Filho, se você atravessar a rua sem olhar para os lados, os carros podem te atingir, e vai te machucar muito e eu e sua mãe vamos ficar muito preocupados. Quando você crescer vai atravessar sozinho muitas ruas e ficaremos muito orgulhosos se você aprender isso hoje”. Ou: 2 – “Se você atravessar a rua vai morrer atropelado e desgraçar a vida da sua mãe e a minha”. Uma paciente certa vez disse ao filho de cinco anos a segunda frase. O filho com dez anos temia ruas, estradas e qualquer viagem de carro ou ônibus.

Leia Mais: Sobre medos inexplicáveis e sensações estranhas

Mas o “Demônio da meia noite” jaz dentro dos próprios pais que praticam tais atos. Por isso Nietzsche estava certo ao afirmar na frase anterior que o castigo alastrou e contaminou o mundo inteiro. Ele correu nas gerações e está em nós. Termino nosso pensamento deste mês com uma afirmação da psicanalista infantil Françoise Dolto: “Criar um filho não é repreendê-lo por seus comportamentos que nos angustiam. Que violência cometemos, por exemplo, contra uma criança que quer correr! “Você vai ficar com calor, e depois, com frio”, dizem certas mães! O medo da doença pode tornar-se obsessivo e atar de pés as mãos a criança.”

O filme deste mês remetem ao medo. E aqui vou trazer um medo de uma criança, ao perceber o “demônio da meia noite” na própria figura de um dos pais.

No enredo do longa “Boa Noite, Mamãe”, uma família vive em uma residência isolada em meio a árvores e plantações de milho. Após dias afastada por conta de cirurgias plásticas, a mãe (Susanne Wuest) volta para casa e não é reconhecida pelos filhos gêmeos. As crianças, de nove anos, duvidam que a mulher de rosto coberto seja realmente sua mãe e a partir de então nada será como antes.

Reflita como o filme trabalha, através do gênero suspense psicológico, algo bem atual: fragilidade materna e a desestrutura do seio familiar na contemporaneidade e qual a ressonância disso nos filhos. A fragilidade filmes de terror nos fazem pensar em como nós mesmo adultos carregamos antigos medos da infância. Existem diversas obras de suspense e terror que remetem a figura do pai neste aspecto da mesma forma.


(Autora: Pamela Greco)

(Fonte: paisqueeducam)

*Via nosso site parceiro.

O post Você desperta medo no seu filho? apareceu primeiro em Fãs da Psicanálise.

Compartilhamos conteúdo de uma grande variedade de fontes. Se você não deseja ter seu conteúdo compartilhado aqui, por favor entre em contato conosco. Gratidão.

Back To Top